Resiliência e os 6 C's de Coping

As pessoas têm diferentes habilidades para se recuperar da adversidade, chamada de resiliência. Se você não se sente particularmente resiliente, a boa notícia é que você pode aprender a ser. No livro, Retrocedendo: a neurociência da resiliência e bem-estarLinda Graham, MFT explora as maneiras pelas quais você pode fazer exatamente isso.

Os 6 C's do coping

1 – Calma

Aprenda a regular o seu vôo, lutar, congelar resposta para experimentar a paz interior vs dormência ou colapso.

Tente isto: mão no coração

Coloque a mão no seu coração, feche os olhos e respire suavemente. Lembre-se de um momento com alguém que o ama incondicionalmente. Sinta o momento com eles, observe sua gentil expressão em relação a você. Se ninguém lhe vier à mente, você pode usar uma figura religiosa ou animal de estimação. Experimente os sentimentos associados a estar neste espaço seguro e seguro.

A ocitocina, o hormônio da segurança, calmo e conectado, é o antídoto do cérebro para o hormônio do estresse, o cortisol. A exposição, até imaginada, às pessoas com as quais nos sentimos seguros pode liberar oxitocina. O toque físico pode amplificar essa sensação.

2 – Compaixão

A compaixão ajuda a superar seu preconceito de negatividade para ser mais otimista e flexível. A autocompaixão é consciência e aceitação do que está acontecendo internamente. Kristen Neff, PhD fala de “colocar sua própria máscara de oxigênio em primeiro lugar”, que ajuda você a perceber, reconhecer e ter compaixão por seu momento de sofrimento.

Tente isto: Vendo-se como os outros vê-lo

Imagine sentar-se em frente a alguém que realmente ama você, depois trocar de lugar e se imaginar como eles o vêem e por que eles o amam. Aproveite o que eles vêem. Então imagine-se como você novamente, absorvendo o amor deles.

3 – Clareza

Entender que os pensamentos são simplesmente pensamentos é o primeiro passo para melhorar a clareza em situações desafiadoras. Muitas vezes podemos entrar em uma cascata de pensamentos levando a emoções que não servem bem, especialmente se o pensamento original não é uma avaliação precisa da situação. Os sistemas de crenças podem estar na raiz do pensamento original, de modo que a familiaridade com suas crenças subjacentes serve para melhorar a clareza.

“Cada momento traz uma escolha, e cada escolha tem um impacto.”Julia Butterfly Hill

4 – Conexões aos Recursos

Quanto mais você puder acessar os recursos ao seu redor, mais apoio e aterramento você poderá recorrer em momentos de aflição. Pessoas, práticas e lugares podem servir como recursos externos para a resiliência. Esteja ciente de quem está em sua vida que pode ser um suporte. Familiarize-se com práticas como o diário diário de gratidão e aproveite momentos especiais para obter recursos. A natureza demonstrou melhorar o funcionamento do cérebro. Encontre um local sagrado ou refúgio ao ar livre para onde você possa ir.

5 – Competência

Sentir-se fortalecido e sentir que “eu posso!” É uma habilidade importante para a resiliência. Identifique a história que você carrega sobre sua competência. Isso te serve? É preciso?

Tente isto: Crie uma narrativa coerente

Tome uma experiência de incidente recente que você achou desafiadora. Reflita sobre o que você fez, o custo, o que você aprendeu e o que você faria de maneira diferente seguindo em frente.

6 – Coragem

Desafiando-se a fazer as coisas de forma diferente pode ser assustador, mas o alívio da ansiedade pode realmente sair de fazer essa coisa assustadora e diferente! A dopamina no cérebro é interrompida sinalizando, “Uh-oh”, mas depois é restaurada após o domínio da situação é alcançado. “Eu fiz isso!” De acordo com Linda Graham, isso é “recondicionamento no melhor” e um mecanismo para a mudança do cérebro.

“O maior carvalho já foi uma pequena noz que se manteve firme.” – Autor desconhecido

Existem outras práticas para acelerar a resiliência e a mudança do cérebro, incluindo a presença (mindfulness) para estimular a receptividade do cérebro e a perseverança para criar e instalar mudanças. O livro de Linda é cheio de detalhes sobre a neurociência da resiliência e muitos exercícios para você adicionar à sua caixa de ferramentas.