Annalisa Barbieri: em 10 anos como uma tia de agonia, é isso que você mais pediu | Vida e estilo

Ten outonos atrás, comecei a escrever a coluna de conselhos do Guardian. A queda de folhas de cartas e e-mails rapidamente se estabeleceu em pilhas distintas, a maior das quais dificilmente ousava dar um nome. Na primavera, eu tinha uma pasta grossa que eu não podia ignorar, rotulada: o amor da mamãe ficou ruim. Havia outras pilhas também, outros temas recorrentes – relações disfuncionais entre irmãos, lidar com adolescentes e muito sobre sexo em relacionamentos de longo prazo.

Então, quando me pediram para contribuir para uma conversa especial, eu pensava sobre as perguntas que me fazem com mais frequência e as conversas – ou a falta delas – por trás delas. Estas são as conversas que desejo que as pessoas que escrevem possam ter com aquelas que lhes causam dor.

O tópico mais popular: “Sou um adulto e realmente não gosto da minha mãe”.

Esta é a pergunta mais popular, e isso me assusta. (Claro, há cartas dizendo que as pessoas odeiam seu pai, mas as mães são a número um.) Parece afetar mais as filhas do que os filhos. Nos casos mais extremos, além do mero aborrecimento, a raiva arde nas cartas de dissertação, cheias de auto-recriminação, confusão e tristeza. Eu era relativamente nova na maternidade quando comecei e tinha minha própria mãe. Isso me assustou: é isso que acontece, pensei? Eu aprendi que, às vezes, sim, é.

Talvez você tivesse uma mãe caótica, ou uma negligente, abusiva ou controladora. Talvez ela tenha enredado você e você estivesse preso. Você cresceu pensando que sua infância era normal, porque você não conhecia nada diferente. É assim que geralmente acontece. Então você chega ao seu “lugar seguro”: você está no trabalho que sempre quis, em um bom relacionamento, talvez tenha filhos. E isso desencadeia algo, e você começa a se perguntar: minha criação foi normal; estava certo; estou sendo injusto? E então, inevitavelmente: eu nunca poderia imaginar fazer isso com meus filhos. Com cada revelação, vem uma emoção esmagadora. Eu vi adultos em seus 40 anos com essa percepção. Conversação? Eles estão desesperados por isso. Mas com quem?

A pessoa com quem você deveria estar falando é a mesma pessoa que não pode, talvez não, ouvir. As cartas dos meus leitores mostram que essas mães só gostam de transmitir, não de receber. Vamos enfrentá-lo, se eles pudessem ter conversas que curaram, eles não estariam escrevendo essas cartas.

Você poderia tentar. Eu já vi pessoas tentarem: elas fazem perguntas sobre a criação de sua própria mãe, o que pode fornecer pistas vitais sobre onde as coisas deram errado. Com uma mãe realmente extraordinária, alguém que consegue trabalhar consigo mesma, a resolução pode ser encontrada com o tempo e a conversa. Mas muitas vezes, infelizmente, não pode. Conversa é vista como confronto. Então o que?

Se você é uma mãe, a pergunta pode se tornar uma provocação: será como minha mãe? A resposta é – sempre – não. Mas alguns padrões familiares podem se repetir. Nos termos mais simplistas, é como um padrão de tricô (eu costumo usar lã e tricô como analogias para problemas emocionais complexos). Você tem apenas um padrão, então você tricota isso porque é tudo o que você sabe, até que alguém lhe mostre um padrão diferente e, de repente, seu suéter é transformado.

Conversar com uma pessoa neutra pode ajudar nisso. Você pode tentar descobrir qual é o seu lugar nisso tudo – quais comportamentos você contribui e quais você pode controlar. Mas então você tem que lembrar a regra de ouro: você nunca vai mudar sua mãe, e você não pode controlar como ela se comporta. Tenha essa conversa consigo mesmo. A palavra que me encontro escrevendo com mais frequência ao falar sobre esse assunto (essas letras no meu teclado devem estar gastas) é “limites”. Construa alguns, reforce-os, mantenha-os. Sua mãe fez suas escolhas, agora você deve fazer o seu.

“O que aconteceu com meu bebê?”

“Adolescente” é uma palavra poderosa. Eu gostaria de saber que quando eu tinha essa idade, mas, como quase todos os adolescentes em algum momento, o poder era a última coisa que eu sentia. Os leitores costumam escrever sobre ser confundido e alienado por seus filhos adolescentes e, na verdade, a conversa é a última coisa que eles sentem que podem ter com eles. “O que aconteceu com meu bebê?” É um refrão comum. Na verdade, seu bebê ainda está lá.

A melhor maneira de iniciar uma conversa com uma criança que atingiu a marca de mais de 13 anos é quando ambos estão fazendo outra coisa. Os adolescentes podem encontrar um confronto direto com os olhos e pode fazê-los entrar em pânico. Então, em vez de enfrentá-los cara-a-cara, aproxime-se deles com uma abordagem lado a lado. Mas esteja preparado para o fato de que as crianças – de todas as idades – gostam de salvar suas conversas mais importantes para quando você menos pode tê-las: quando você está prestes a ir para a cama, em um prazo ou trocar um pneu ao lado de um quatro Auto-estrada. Eu acho que é um teste.

E a única coisa que vou dizer de imediato é que, se você tem algum trabalho a fazer em seus próprios problemas psicológicos, ter um filho adolescente brilhará com uma forte luz sobre eles. Portanto, se você tem medo da rejeição, seu filho adolescente não querendo responder às suas perguntas afetará você mais profundamente. Esteja ciente disso. Se sua reação é extrema, é mais sobre você do que eles. Afinal, você não quer que seu filho escreva para mim sobre o tópico número um: veja acima.

Os adolescentes geralmente não querem responder a uma pergunta imediatamente. Eles são mestres de esconder suas emoções na escola. Então continue perguntando, mas não de maneira metralhadora. Dê-lhe tempo; Estou falando em dias, não em minutos. Não exagere, porque se você fizer isso, você está semeando as sementes para eles não contarem algo da próxima vez. Se você entrar em pânico, as coisas boas a dizer são: “E então o que aconteceu?”, “O que você quer dizer com isso?”, “Como isso faz você se sentir?” Essas frases podem ganhar tempo. Mas não tenha medo de apenas dizer: “Isso parece difícil para você”. As crianças muitas vezes anseiam por empatia mais do que pela resolução de problemas.

Cada criança e adolescente terapeuta com quem conversei (e em 10 anos, isso é muito) disse que os adolescentes são basicamente crianças gigantes. Eles precisam de limites, eles precisam de abraços. Seja gentil. Não tenha medo de que a conversa entre em um argumento (construtivo), mas possivelmente não enquanto estiver dirigindo. “O carro geralmente é quando podemos realmente dizer o que queremos, porque todo mundo já está gritando”, os adolescentes costumam me dizer. Mas como pai, não faça isso com você. Ouço. Eles serão: qualquer um que acha que os adolescentes não escutam confundiu a possibilidade de ouvir as ordens a seguir.

E se você errar, não se preocupe muito (mas peça desculpas), porque vários estudos mostram que a adolescência continua até os 26 anos. Você tem tempo para conversar muito mais.





Ilustração, de, pessoas, cabeças, falando



Ilustração: Lo Cole

“Eu não me dou bem com meus irmãos”

O relacionamento entre irmãos é completamente fascinante, porque muitas vezes revela os segredos da dinâmica familiar. O modo como você se dava com os irmãos pode refletir o que está acontecendo – com seus pais. Mas também pode ditar a maneira como você interage com outras pessoas fora da família. Então, se você está evitando o confronto ou se comporta de determinada maneira com personalidades específicas, vale a pena verificar se elas imitam, de alguma forma, suas interações entre irmãos.

Sempre que alguém escreve para mim com problemas para fazer com seus irmãos ou irmãs, eu procuro por indícios mais antigos em suas vidas iniciais, quando as fricções eram normalmente estabelecidas. Não é um dado que as crianças não entram. Claro, alguns general “eu odeio ela / ele” é normal; mas se a minha coluna é alguma coisa, relacionamentos de irmãos disfuncionais são quase sempre moldados pela influência dos pais. Alguns pais gostam de dividir e governar. Eles podem ter um filho de ouro que é favorecido, e um pode, às vezes, literalmente, ser o menino de chicotadas. Uma criança mais velha pode visitar a rejeição que sente dos pais em uma criança mais nova.

As crianças muitas vezes crescem culpando seus irmãos completamente. É só quando saem de casa e aprendem a forjar esses relacionamentos fora do guarda-chuva familiar (se não for tarde demais) que as pessoas têm alguma esperança de curar essas feridas – e muitas vezes percebem o que aconteceu para causá-las.

Toda comunicação eficaz tem que começar de um ponto de empatia e reconciliação. Então, antes de falar com eles, vale a pena tentar imaginar a vida do ponto de vista do seu irmão. Se você falar para uma família de, digamos, cinco irmãos / irmãs adultos, cada um terá uma opinião diferente na mesma ocasião, e todos serão válidos.

Um filme muito bom que ilustra isso é Hilary And Jackie, em que as mesmas cenas são jogadas do ponto de vista de cada irmã. Muitas vezes penso nesse filme quando preciso olhar para as coisas do ponto de vista de outra pessoa: como deve parecer para elas? Se você precisa conversar sobre um relacionamento complicado entre irmãos, é sempre melhor começar com uma pergunta como “O que foi que * insere uma ocasião” para você? “

Uma pergunta realmente reveladora para perguntar a um irmão mais velho que você não entende é como foi para eles quando você chegou. Como isso foi tratado? Eu vi relacionamentos inteiros transformados depois de uma conversa baseada apenas nessa questão.

Em vez de dizer: “Você foi horrível para mim” (você pode entrar em detalhes quando seu relacionamento é mais robusto), é melhor começar com: “Éramos muito vis a um ao outro, não éramos?”; dizer: “Isso deve ter sido difícil para você” pode curar anos de dor, se for sincero. E vale a pena tentar, porque o relacionamento entre irmãos é frequentemente o mais duradouro de sua vida.

“Não podemos falar sobre sexo”

Obviamente, ninguém me escreve para dizer que está feliz com sua vida sexual: essa não é a natureza da transação. E embora as letras possam variar em detalhes, todas têm uma coisa em seu núcleo: a falta de comunicação e a incapacidade de manter a conversa sexual, especialmente em um relacionamento de longo prazo. A conversa pode ser necessária devido a muitas coisas: uma dissonância na libido; lidar com a infidelidade; ou, geralmente, sexo diminuindo a longo prazo. A ironia parece ser que quanto melhor você conhecer alguém e quanto mais tempo você passa com eles, menos capaz você é de falar sobre sexo com eles. Eu acho que isso geralmente acontece porque, em relacionamentos de longo prazo, você está tentando equilibrar paradoxos como o desejo de segurança e excitação. Em novos relacionamentos é principalmente sobre o último.

Eu falo com um monte de conselheiros de sexo e relacionamento e todos dizem a mesma coisa sobre “quantas vezes”: não importa o quanto você faz sexo desde que os dois parceiros concordem. E você não pode concordar se você não fala sobre isso.

Infelizmente, se o ressentimento se acumulou, muitas vezes é difícil manter a emoção negativa fora de uma conversa, e as recriminações nunca trazem resolução. Escolher seu momento para iniciar essas conversas é muito importante. Obviamente, isso depende do casal, mas muitas vezes é melhor falar sobre sexo, em vez de apenas mergulhar direto em algo como: “Eu nunca chego ao orgasmo quando estou com você”. Tornar a outra pessoa defensiva não facilita comunicação e muitas vezes bloqueia.

Um bom começo é começar a falar sobre um tempo feliz que você passou juntos: “Você se lembra de quando?” E constrói a partir daí. Você pode não chegar lá na primeira tentativa, mas continue tentando. Até mesmo falar sobre “vocês dois” cria intimidade – o que não é o mesmo que sexo. Um conselheiro uma vez me disse que a intimidade era quando ambos sabiam o que estava acontecendo emocionalmente com a outra pessoa.

Se você precisa falar sobre um problema específico, tente abrir com algo como “eu fecho quando você …” em vez de “você me deixa doente quando você …” “Eu me sinto assim …” em vez de “você me faz sinto… ”A linguagem pode fazer ou quebrar isso.

Também é fácil olhar para as pessoas que fazem muito sexo e pensam: “Classificado”. Mas isso nem sempre significa que não há um problema ou que o relacionamento é feliz. “Fazemos sexo várias vezes por semana”, disse recentemente um leitor (casado há 20 anos, três crianças, não, também não sei como o fazem) “mas meu parceiro não tem ideia do que eu gosto, nunca pergunta e não quer saber. ”Se o sexo é comunicação, então o sexo egoísta é um monólogo.

Envie seu problema para annalisa.barbieri@mac.com. Annalisa lamenta não poder entrar em correspondência pessoal.

Os comentários sobre esta peça são pré-codificados para garantir que a discussão permaneça nos tópicos levantados pelo artigo. Se você quiser que um comentário seja considerado para inclusão na página de cartas da revista Weekend impressa, envie um e-mail para weekend@theguardian.com, incluindo seu nome e endereço (não para publicação).

Razões pelas quais as pessoas se casam

Quais poderiam ser as razões pelas quais as pessoas se casam apesar do surto de divórcios que vemos no mundo moderno de hoje?

principais razões pelas quais as pessoas se casam é por causa da segurança emocional que lhe dá

Há momentos em que você sente que poderia acabar com muitos problemas emocionais se a instituição do casamento não existisse, não é?

Mas, apesar de todas as suas reservas sobre o casamento, você nunca deixa de se casar com a pessoa que ama.

Por quê?

É porque o casamento é o único vínculo que lhe dá segurança emocional, um sentimento de pertença e um sentimento de união.

Sim!

O vínculo matrimonial dá a você a muleta para se apoiar quando você fica desequilibrado pela procissão de problemas que enfrenta em sua vida. Seu relacionamento com seu cônjuge é sua linha de vida quando você está em desesperada necessidade de apoio psicológico incondicional.

Você sabe que as pessoas se casam porque traz muitas mudanças positivas em sua vida?

  • Você tem alguém para cuidar de você.
  • Você tem o apoio moral do seu cônjuge para enfrentar os inevitáveis ​​altos e baixos de sua vida.
  • Você se torna comprometido e responsável, pois sente que é seu dever cuidar da sua família.
  • Você agora desfruta de um sentimento de união que só uma família pode lhe dar.

Você ainda está se perguntando sobre as razões pelas quais as pessoas se casam?

Quando você é criança, seus pais são o seu pilar de força. O amor dos pais faz você se sentir emocionalmente seguro.

Mas quando você entra na idade adulta, você supera a necessidade de se apegar a seus pais. Seu amor por seus pais continua o mesmo. Mas você quer outra coisa. Sua mente procura um relacionamento que lhe dê algo mais. Você almeja um sentimento de pertença.

No entanto, outra mudança biológica se torna predominante quando você se torna um adulto. Você é atraído pelo sexo oposto.

Um sentimento muito natural não é?

Inicialmente, é apenas atração sexual entre ambos. Mas, intensifica-se em amor à medida que você se conhece melhor.

Seu intenso amor um pelo outro lhe dá o desejo de ficar juntos sempre. Você deseja legalizar seu vínculo casando-se com a pessoa que ama ardentemente.

Você não pode viver neste mundo mercenário sem uma companhia amorosa. Você definitivamente quer alguém para cuidar de você.

Esta é outra das principais razões pelas quais as pessoas se casam.

Aqui está a cadeia do casamento.

Depois do casamento, seu relacionamento se torna ainda mais forte quando você tem filhos.

Quando você tem uma família, há muitas mudanças de estilo de vida em você.

Seu amor por seus filhos faz com que você se torne mais responsável e comprometido.

Você trabalha pela segurança financeira de seus filhos e eles se tornam seu mundo.

Você renuncia a sua vida despreocupada e se torna responsável. Você combina com seu cônjuge para tornar sua vida futura estável e segura. Desde que seus filhos são de você, você sente que eles pertencem a você. Então, você é protetor para eles. Você vive para eles. Você faz muitos sacrifícios pelo seu aperfeiçoamento.

Você também desfruta de uma boa companhia com seu cônjuge. Você adora a sensação de pertencer ao seu casamento.

Estas são todas as mudanças necessárias que você tem que sofrer se quiser evoluir como um bom ser humano. Sem a instituição do casamento, sua vida vagaria sem rumo.

Seus filhos se apegam a você por apoio emocional quando são crianças.

Quando eles entram na idade adulta, eles querem ter uma vida própria. Eles se afastam de você, assim como você fez. Eles se casam e têm filhos, assim como você fez.

Esta é a cadeia do casamento.

Essa ligação vai continuar até que este mundo exista.

Apesar do surto de divórcios, as pessoas se casam e continuarão a se casar até que este mundo exista. O mundo não evoluirá se o homem e a mulher ficarem sozinhos.

Imagine um mundo de solteironas e solteiras!

Não haverá famílias nem relacionamentos. Quando não há relacionamentos, não há amor. Quando não há amor, não há nada neste mundo pelo qual vale a pena viver.

Este círculo familiar é necessário para que este mundo exista.

  • O casamento dá reconhecimento e legalidade ao seu relacionamento.
  • Legaliza o seu vínculo.
  • Isso faz com que você seja comprometido e responsável.

Olhe para trás em sua vida antes do casamento.

  • Você não tinha responsabilidades.
  • Você viveu por si mesmo.
  • Sua vida foi sem objetivo e apática.

Você pode continuar vivendo essa vida de irresponsabilidade?

Você não pode.

CONCLUSÃO

Razões pelas quais as pessoas se casam é variada e diferente. Mas há um motivo comum.

O casamento lhe dá o alvo certo e direção para o sucesso na vida. Você se torna responsável. Você enfrenta a vida com o objetivo de tornar sua família feliz. Pequenos mal-entendidos podem surgir entre você, mas de forma alguma tira o crédito do instituto do casamento.

“Todos os casais devem aprender a arte da batalha, pois deveriam aprender a arte de fazer amor. A boa batalha é objetiva e honesta – nunca cruel e cruel. A boa batalha é saudável e construtiva, e traz para o casamento o princípio da parceria igualitária. – Ann Landers

A contribuição sincera e amorosa de ambos é necessária para que o seu casamento funcione. A santidade do casamento nunca pode ficar desatualizada.

  • Você precisa de um ombro para se apoiar em momentos de aflição.
  • Você precisa do calor do amor em sua vida.
  • Você precisa de alguém para abraçá-lo quando enfrentar falhas em sua vida.
  • Você precisa de mãos de apoio para sair de sua rotina de aflição.

“O ato real do casamento acontece no coração, não no salão de baile, na igreja ou na sinagoga. É uma escolha que você faz – não apenas no dia do seu casamento, mas de novo e de novo – e essa escolha se reflete na maneira como você trata seu marido ou sua esposa. ”_ Barbara De Angelis

Como todos os desejos emocionais de vocês serão cumpridos?

É o seu casamento que traz uma pessoa que vive para você. Ele torna sua vida significativa e digna.

Uma pessoa que compartilha sua vida é sua esposa. Ele mantém suas mãos em amor intenso durante toda a sua jornada de vida.

Você consegue ver agora as razões válidas pelas quais as pessoas se casam?

Por mais moderno que o mundo possa ser, esse anseio emocional por uma família nunca será superado em nenhuma parte do mundo.

10 verdades difíceis sobre relacionamento que as pessoas dificilmente acreditam

10 verdades difíceis sobre relacionamento que as pessoas dificilmente acreditam

Você está em um relacionamento ou planejando entrar em um? Obviamente, todos os seres humanos querem relacionamentos que sejam agradáveis, duradouros e cheios de diversão. Na verdade, a maioria considera seu relacionamento um perfeito com pouco ou nenhum defeito tentando ignorar / desviar verdades difíceis sobre o relacionamento.

E, às vezes, o grande fator chamado amor pode cobrir o olho de tal maneira que alguém não consiga enxergar a pequena mancha no relacionamento.

Mas ainda assim, há verdades difíceis sobre o relacionamento que explicarei para ajudá-lo a evitar problemas futuros.

Relacionamento de longa distância falha: veja as razões aqui

Neste artigo, estarei explorando 10 dessas duras verdades sobre relacionamento que influenciam a direção do relacionamento e você veria se elas são sérias ou não.

Você também seria capaz de ver como alguém pode minimamente evitar as coisas que os causam. E, no final, você poderá entender como lidar melhor com seu relacionamento.

Esta é uma das principais verdades duras sobre relacionamento que mais raramente acreditam. Uma verdade que a maioria não compreende é que você e seu parceiro podem não ser compatíveis.

Verdades Difíceis Sobre o Relacionamento

Na verdade, você pode precisar dar uma boa briga para que o relacionamento dure por muito tempo. A causa disto é óbvia, você foi criado em circunstâncias diferentes, recebeu uma qualidade diferente de treinamento em casa e, como tal, o seu modo de pensar difere.

Relacionamento de longa distância falha: veja as razões aqui

Mas entender esse fato no estágio inicial do relacionamento o ajudará a estabelecer metas realistas sobre o relacionamento que o ajudarão a lidar com problemas relacionados a isso no início.

  • A diferença em valores representam uma ameaça

Outra grande ameaça ao relacionamento é a diferença de valor entre você e seu cônjuge.

O que interessa a você não o interessa e vice-versa, e na maioria das situações, cada pessoa tende a aproximar-se daqueles que compartilham seus valores, levando a sério esforço de seu relacionamento atual.

Identificar seu valor no estágio inicial ajudará cada um a se adaptar melhor mesmo em situações em que compartilham valores diferentes.

Relacionamento de longa distância falha: veja as razões aqui

  • Horário ruim, um fator que influencia o rompimento

Todos os rompimentos não acontecem porque cada membro não consegue resolver seus problemas, nem isso acontece porque eles estão cansados ​​do relacionamento.

Na maioria das vezes, o mau timing pode levar à separação, mesmo que ambos se amem profundamente.

Um cenário popular, “depois de ter um dia agitado, Stephen ligou para Mary para checar ela, sua escolha de palavras foi influenciada pelo dia agitado que ele passou, Mary parece não entender por que ele estava tão bravo e uma discussão se seguiu. ”

Na maioria das vezes, problemas como falta de tempo podem gerar muitos problemas, por isso é melhor cancelar a ligação ou sair da conversa no momento.

Se você compartilhar a mesma conta ou possuir propriedades juntas, provavelmente não verá uma separação como uma opção para o seu problema.

Vocês dois estarão mais preocupados em fazer as coisas funcionarem, a não ser encontrar seus caminhos fora do relacionamento. Isso também ajudará você a construir confiança na outra pessoa.

  • Esqueça o termo “o caminho certo”

Se você está procurando pelo caminho certo, tenha uma boa jornada explorando o canto e o canto do mundo.

Um princípio diz “uma máquina não pode ser 100% eficiente”, nem você pode encontrar uma pessoa que marque todas as marcas.

Você precisa lutar para fazer as coisas funcionarem, e lutar pelo relacionamento para sobreviver, só então você pode dizer que tem o caminho certo.

Lembre-se que o critério para medir o caminho certo pode mudar a cada dia que passa.

  • Objetivos irreais matam o relacionamento

Alguns estabelecem metas em um relacionamento como se fossem a única pessoa nele.

Você tem o seu ritmo, o seu parceiro tem o seu próprio ritmo, na maioria das vezes você está se movendo em um ritmo diferente.

O que parece importante hoje para você pode parecer menos importante para a outra pessoa.

Seu objetivo sobre o relacionamento pode ser a última coisa sobre a qual ele ou ela está pensando. É melhor definir metas depois de discutir o que ambas as partes desejam.

  • Ciosamente bom ou ruim? Tem um limite

Você acredita que ser ciumento é ruim, talvez você logo veja alguém roubar o que você ama, por outro lado, você pode ficar com tanto ciúme que fará a outra pessoa se sentir desconfortável com o relacionamento.

A maioria acredita que seu parceiro não estar com ciúmes é o mesmo que não amá-los completamente, então encontre um equilíbrio, seja ciumento razoavelmente e questione seu parceiro quando estiver com ciúmes.

Isso pode ser apenas a chave para o seu relacionamento duradouro.

  • Você não pode ter um relacionamento perfeito

Talvez você não esteja apenas pronto para admitir e identificar os problemas enfrentados em seu relacionamento, ou você está atuando no mesmo filme, seu relacionamento não pode ser perfeito.

Verdades Difíceis Sobre o Relacionamento

E essa também é uma dura verdade sobre o relacionamento em que raramente acreditaríamos. Ninguém jamais esteve, todo mundo luta para manter seu relacionamento e ninguém vai dar a má experiência, é a história não contada do chamado relacionamento perfeito.

Todos nós temos falhas, só precisamos superar as falhas ou ajudar nosso parceiro a lidar com isso.

  • A educação também é uma ameaça

Alguns podem pensar que a educação tem pouco efeito sobre o casamento, isso está longe de ser verdade.

De fato, quanto maior a diferença na educação, maior a chance de ter problemas no relacionamento.

Seu escopo de raciocínio pode ter sido aprimorado pela educação recebida, suas habilidades de comunicação, habilidades de resolução de problemas serão diferentes.

E quando você trabalha em ritmo diferente com base no seu nível de educação, é provável que haja problemas.

  • Sexo não vai melhore seu relacionamento

Um dos fatos mais discutidos de todos, por isso, torna-se uma das verdades difíceis sobre o relacionamento que a maioria não acredita.

Muitos acreditam que ter relações sexuais ajudará a melhorar a força do relacionamento.

Isto é falso. Na verdade, a maioria tende a odiar o parceiro após a primeira noite de compartilhar uma cama, ou depois de fazer a coisa do casal.

A maioria sente que sua missão é cumprida e que seu parceiro não pode satisfazê-las.

É importante estabelecer limites para iniciantes em um relacionamento, e lembre-se de confiar um no outro aumentará seu amor por não fazer sexo.

Conclusão

Você definitivamente terá um bom relacionamento se tomar nota de todas essas verdades difíceis sobre relacionamento destacado.

Acredite em mim, cada um conta e quanto mais rápido você admitir e trabalhar neles, mais fácil será para resolver seus problemas de relacionamento.

Elena Ferrante: “Eu não acredito em pessoas que juram que não são do tipo ciumento” | Vida e estilo

To meu arrependimento, eu freqüentemente me deparo com pessoas invejosas. Na minha ficção, tenho escrito muitas vezes sobre esse sentimento repugnante, mas, em geral, infeliz. O resultado é sempre decepcionante: de Shakespeare a Proust, tudo que poderia ser dito foi dito, lindamente, e parece um esforço desperdiçado. Além disso, sinto alguma relutância em me aprofundar e no que sei sobre as muitas pessoas invejosas que amei e amei. Sem mencionar que muitas vezes encontro pessoas que dizem, em tom angustiado: “Esqueça, você não sabe o suficiente sobre ciúmes. Eu conheço todos os tormentos. ”O ciúme é uma sujeira amarelada em que colocamos nossas mãos sem a satisfação de extrair alguma verdade própria.

E, no entanto, é difícil ignorar o sentimento: goste ou não, na forma trivial ou extrema, todos nós experimentamos isso – não necessariamente no amor, mas em todo tipo de relacionamento. É claro que conheci muitas pessoas que juram que não são do tipo ciumento. Mas eu rapidamente tive que colocá-los na categoria de perjuros: o ciúme apareceu de repente em seus olhos, embora eles se apressassem em retratá-lo – envergonhado, esperando que eu não tivesse percebido.

São principalmente os cultos que têm o cuidado de esconder sua inveja, porque sentem que, no fundo, essa é uma suposição mesquinha, mas significativa: sua intolerância ao fato de que as pessoas que amam podem sentir prazer sem elas, na companhia de outras pessoas. A pessoa invejosa quer ser a única fonte do bem-estar do amado. E, no entanto, como sabemos, a pressão da vida é tão forte, tão ferozmente expansiva, que não pode ser completamente preenchida por um relacionamento; todos nós somos tentados a arriscar até os laços mais sólidos quando atraídos por outros.

Se mantivermos alguma clareza e um pouco de autocontrole, podemos ver que uma grande parte da existência do amado ocorre inevitavelmente fora do recinto em que queremos colocá-lo. Manter o relógio é impossível; todo ataque de ciúmes sublinha nossa condição de frágil ser humano – não somos indispensáveis, tememos o abandono – e é degradante; tira nossa aura. E por essa razão, tentamos desesperadamente conter nossas fúrias invejosas. Às vezes, conseguimos transformá-los em um impulso para dar ao outro toda a atenção, toda a gentileza, toda a compreensão de que somos capazes.

É um exercício que nem sempre é bem-sucedido, em parte porque a pessoa amada parece pensar que pretende demonstrar – não apenas em particular, mas publicamente – que não somos suficientes. No momento em que o inevitável sentimento de inadequação prevalece, juntamente com a impossibilidade de se fazer o único propósito da vida de outra pessoa, não há saída. Fechamos o amado em uma gaiola, preferindo que ele morra espiritualmente e até fisicamente – em vez de nos expor à ferida humilhante de sua fuga.

Traduzido por Ann Goldstein

Meu pai está sendo despedido e temo por sua saúde mental | Vida e estilo

Meu pai está na faixa dos 50 e tem uma posição sênior em uma empresa global, mas acabou de saber que está sendo dispensado. Ele trabalhou seu caminho a partir do nada. Sua própria família não tinha muito dinheiro, e seu próprio pai costumava convencê-lo, o que ele admitiu diminuiu sua confiança. Ele tem a ética de trabalho mais forte de quem eu conheço e é bem remunerado; hee minha mãe tem um bom padrão de vida. Ele faria qualquer coisa por sua família – praticamente e emocionalmente, ele tem sido um grande apoio.

Às vezes, quando papai e eu ficamos sozinhos, ele falou sobre a enorme responsabilidade que sente ao pagar a hipoteca e garantir ele e minha mãe têm dinheiro suficiente para a aposentadoria. Ele deseja poder aposentar-se cedo, mas diz que não pode acontecer em breve. Minha mãe cuida de suas finanças e me disse que eles estão bem financeiramente, e que, se ele quisesse, poderia se aposentar mais cedo e se sentir confortável.

Papai também fala sobre sua preocupação por mim e meus irmãos. Um irmão ainda mora em casa – ele tem depressão e confia em meus pais financeiramente. Tenho a sensação de que meu pai poderia trabalhar para o resto de sua vida, mas nenhuma quantia de dinheiro seria suficiente colocar suas preocupações para descansar.

eu acho que trabalho traz papai a maior parte de sua cumprimento. Agora que seu trabalho foi arrancado, estou preocupado com sua saúde mental. eu quero ele para ver os pontos positivos: ele trabalhou duro sua vida e agora tem uma grande oportunidade para relaxar e desfrutar de hobbies e viagens.

Seu pai e toda a sua família parecem maravilhosos e extraordinários. Sua carta original era surpreendente, tão cheia de discernimento. Eu consultei o psicoterapeuta Andrew Balfour, do tavistockrelationships.org, que também é membro do bpc.org.uk, que me deu algumas informações valiosas. Ele diz: “Chegamos a um ponto na vida em que cruzamos a linha da sombra, a testa da colina [which can be daunting]. Particularmente para pessoas que fizeram um certo tipo de uso para o trabalho. ”

Simplificando: se alguém teve um começo difícil na vida (o que parece que seu pai fez), eles podem se distanciar disso jogando-se no trabalho ou na família, ou ambos. Mas isso significa que eles não trabalharam com essas ansiedades anteriores, que permanecem em segundo plano, em grande parte ignoradas. Quando a “distração” do trabalho começa a diminuir, essas dificuldades anteriores permanecem e a pessoa fica com a falta de emprego, digamos, ou o ninho vazio, mas também os velhos problemas que ressurgem. Isso pode ser desestabilizador. Depois, há seu irmão, que ainda está em casa, por quem seu pai deve se sentir especialmente responsável. Você não deu mais detalhes sobre ele, mas acho que ele – inadvertidamente – desempenha um papel significativo ao ancorar seu pai em seu papel de “apoiador”.

Seu pai está procurando ajuda? Ele precisa de alguém para conversar além de você, porque ele parece deprimido. Você o conhece melhor e qual a abordagem a seguir. É difícil convencer um pai a obter ajuda, mas ele precisa disso. Você poderia contar com a ajuda de sua mãe e irmão mais velho para convencê-lo a obter algum apoio formal? Eu percebo que seu pai pode não concordar com isso imediatamente; mas Balfour se pergunta se a empresa dele poderia fornecer aconselhamento para redundância (alguns o fazem), o que pode ser mais aceitável para ele. Talvez você possa enquadrar a situação de uma forma que ele entenda – por exemplo, “Pai, como você sugere que alguém lide com algo assim no trabalho?”

Pode ser benéfico sugerir que, se ele não cuida de si mesmo, então ele não pode ajudar o resto de você – dado que parece tão importante para ele que ele possa fazer isso (igualmente, não o faça se sentir sobrecarregado) . Eu percebo que os recursos são irregulares, mas seu GP é um bom começo para o acesso ao aconselhamento.

Seu pai tem amigos que passaram por experiências semelhantes e que poderiam ajudá-lo a ver que há algo do outro lado? O que mais ele gosta que poderia ajudá-lo com sua confiança?

Não desanime. Seu pai tem um caráter incrível e grande apoio. Este é um enorme estágio de desenvolvimento em sua vida: qualquer um acharia difícil. Mas, pouco a pouco, e com ajuda, ele pode não apenas adaptar-se à sua nova paisagem, mas – com certeza – aproveitá-la também.

Envie seu problema para annalisa.barbieri@mac.com. Annalisa lamenta não poder entrar em correspondência pessoal.

Os comentários sobre esta peça são pré-codificados para garantir que a discussão permaneça nos tópicos levantados pelo artigo.

Você é casado com a pessoa certa – e isso importa? | Vida e estilo

EuSe você quer um casamento feliz, você deveria coabitar primeiro? Uma pergunta convincente, talvez, para quem lê isso via clarividência na década de 1970. Mas não para o resto de nós: hoje em dia, é a escolha entediante e normal, exceto entre certas pessoas religiosas para as quais a questão presumivelmente não surgiria para começar. No entanto, uma e outra vez, a pesquisa – incluindo um estudo publicado em setembro – ligou a coabitação a um risco maior de divórcio. Então, novamente, outros estudos continuam encontrando o oposto, incluindo um publicado em outubro, usando, surpreendentemente, os mesmos dados de setembro. Longe de alcançar a harmonia, parece que os pesquisadores estão se encarando de lados opostos da sala de estar, imaginando se vão realmente passar os próximos 40 anos de suas vidas suportando essa porcaria.

Parte da razão para a discrepância não é sobre coabitação, mas o tipo de pessoas que já somos quando decidimos se devemos coabitar. Se você for estritamente religioso, terá menos chances de se mudar antes do casamento e menos provável de se separar se as coisas não correrem bem. Considerando que, se você é um tipo de convenção disposta a escandalizar os membros idosos da família ao coabitar, certamente também estará mais disposto a pensar no divórcio. Isso ajuda a explicar por que o efeito de coabitação-divórcio parece estar diminuindo com o tempo: hoje em dia, graças a mudanças de normas, não apenas convulsivos que coabitam, então não são apenas os mais propensos ao divórcio que o fazem. Em qualquer caso, outra pesquisa sugere que o fator crucial não é casamento ou coabitação, mas idade: seja qual for a forma de “se estabelecer” que você escolher, é muito menos provável que se desenvolva muito cedo na vida adulta, em oposição a mais tarde. .

Na medida em que realmente existe uma ligação entre a coabitação e o colapso do casamento, isso provavelmente decorre de certos aspectos psicológicos estranhos do comprometimento. Coabitar parece uma opção mais fácil e de menor comprometimento; na verdade, muitas vezes é em parte uma resposta à necessidade econômica. Mas isso traz dois problemas. Um deles é o viés do custo irrecuperável: uma vez que você fez a coisa mais fácil por alguns anos, parece doloroso descartar o investimento, mesmo que você deva. O outro, alguns terapeutas argumentam, é que a coabitação não é muito precisa como um ensaio no casamento, já que toda vez que você se depara com uma tensão, você não precisa enfrentá-la de todo coração. Em vez disso, você diz a si mesmo – conscientemente ou não – que é apenas um teste, que você está livre para sair a qualquer momento. Assim, você evita um verdadeiro cálculo com a questão de sua compatibilidade e, portanto, corre o risco de se casar com a pessoa errada.

Felizmente, como Alain de Botton colocou em um ensaio justamente célebre, você vai se casar com a pessoa errada de qualquer maneira. Eles se recusam a se conformar aos ideais que você projeta para eles ou para protegê-lo de sua própria loucura; eles vão frustrar seus planos para a sua vida, todos sem malícia, simplesmente porque eles – e você – são humanos. (A menos que eles sejam mal-intencionados e, nesse caso, saiam.) “Escolher com quem nos comprometer é apenas um caso de identificar qual variedade específica de sofrimento gostaríamos mais de nos sacrificar”, conclui De Botton. E um dos marcos da vida adulta, eu sugiro, é quando você percebe que isso é realmente uma notícia brilhante.

Ler

Em anexo, por Amir Levine e Rachel Heller, olha para os relacionamentos através da lente da “teoria do apego”, argumentando que a compreensão do seu estilo de apego – seguro, ansioso ou evitando – é a chave para um casamento gratificante.

oliver.burkeman@theguardian.com

Estamos realmente no meio de uma recessão sexual global? | Vida e estilo

Nome: A recessão sexual.

Era: Dezoito a 29 e acima.

Aparência: Meio sem graça.

Mesmo? Eu achava que as pessoas geralmente achavam o sexo bastante interessante. Eles fazem, mas talvez principalmente para falar. “Recessão sexual” é um termo cunhado pela jornalista Kate Julian em um recente artigo do Atlântico que tenta entender por que as pessoas estão fazendo menos sexo.

Eles são? Onde? Todo lugar que está contando. Em 1990, o adulto médio dos EUA fazia sexo 62 vezes por ano; em 2014, foi 54 vezes. No Reino Unido, entre 2001 e 2012, os menores de 45 anos deixaram de fazer sexo mais de seis vezes por mês para menos de cinco vezes.

Espero que eles estivessem ocupados assistindo Big Brother. Ou mandando mensagens para os Nokias deles. Ele vai pegar em breve. Eu não apostaria nisso. Parece ser global, com a Austrália, a Finlândia e os Países Baixos a verem declínios semelhantes. No Japão, em 2015, 43% das pessoas de 18 a 34 anos eram virgens.

Santo Moleque! Esses millennials são tão tensos. A tendência remonta a meados da década de 1990, muito antes de muitos jovens da geração Y estarem fazendo sexo, mas sim, isso pode ser um fator. Julian considera os efeitos do namoro online e socializar digitalmente em vez de pessoalmente.

O que as pessoas podem estar fazendo em vez de fazer sexo? Quer dizer, eu posso pensar em uma coisa Sim, as pessoas fazem muito disso. Desde os anos 90, nos EUA, a proporção de homens que se masturbaram em uma determinada semana dobrou para 54% e as mulheres para 26%.

Eu culpo a tecnologia do vibrador e a pornografia online. Possivelmente. Há pouca evidência de que seja viciante, mas, como disse um pesquisador, pode estar “tirando vantagem” da libido das pessoas.

Sem brincadeiras. A maior parte do sexo acontece dentro de casais, mas os jovens estão se envolvendo menos – isso é outra coisa. E eles são mais propensos a viver com seus pais. Além disso, eles podem estar nervosos sobre fazer avanços românticos.

Eles não estavam sempre nervosos? Sim, mas uma pesquisa da revista Economist / YouGov em novembro do ano passado descobriu que 17% dos americanos com idade entre 18 e 29 anos acreditavam que um homem pedindo uma bebida para uma mulher “sempre” ou “geralmente” constituía assédio sexual.

Cripes. E sabemos que hoje as crianças são mais sensatas que seus pais. Eles fumam menos, bebem menos, lutam menos, tomam menos drogas …

Você está dizendo que aceita esta recessão? Bem, as taxas de gravidez na adolescência estão baixas, há maior compreensão do consentimento e menos bebês podem beneficiar o mundo.

Sinto falta dos velhos tempos em que as pessoas sexualmente frustradas vagavam pelas ruas, unidas a quem conseguissem encontrar. Sim, você faz parecer idílico.

Diga:Talvez precisemos de um banco central para estimular a economia sexual ”.

Não diga:Abaixar o preço do álcool deveria fazer isso.

Meu filho está com ciúmes da ideia de eu conhecer um novo homem | Vida e estilo

Meu filho de 14 anos é amoroso, considerado, emocionalmente inteligente e divertido. Estou muito orgulhosa dele e temos um ótimo relacionamento. Seu pai e eu nos separamos há cinco anos e temos um bom relacionamento em geral. Meu filho vive com nós dois, em semanas alternadas. Seu pai tem uma namorada e meu filho se dá bem com ela.

O problema é que meu filho é muito ciumento comigo. Desde a deixando o pai dele, eu datado de algumas pessoas, algumas por um tempo, mas nunca os apresentou a ele. Isto é em parte porque eu não tinha certeza de que eles ser parceiros de longo prazo, mas também porque meu filho fica visivelmente irritado com o pensamento de eu ter um namorado, ou se ele me vê mandando mensagens de texto, ou suspeito que eu pode ver alguém durante as semanas que ele não está comigo.

Eu tentei explicar que ele sempre será meu número um e eu sempre o amarei, mesmo quando eu conheço alguém, mas ele fica zangado, então eu evito o assunto. Eu não gosto do fato de que eu tenho que esconder meu telefone no caso de ele ver a foto de um namorado, ou mentir sobre o fato de que estou namorando, ou estar sujeito às exigências dele que eu nunca tenha um namorado.

Ele também não gosta se alguém comentar sobre a minha aparência e reclamar se eu usar qualquer coisa, mas o mais simples, mais “invisível” roupas. Não vou deixar meu filho escolher como eu olho, mas eu sinta-se cauteloso com seu humor ciumento.

Está começando a ficar meio doentio. Eu recentemente conheceu alguém Eu gosto muito e vejo como um potencial parceiro de longo prazo, mas eu não sei como lidar com isso. Eu tentou discutir com meu filho – ele disse que apenas odeia a ideia e não sabe por quê.

A primeira coisa é não entrar em pânico. A professora Alessandra Lemma, psicóloga e psicanalista, que freqüentemente trabalha com jovens, diz: “Esse é um problema bem comum, em que houve um divórcio e um filho único. É particularmente comum quando é mãe e filho. ”

Este também é um momento em que seu filho está entrando na adolescência, um período de grandes mudanças para ele, e ele pode estar com medo – não apenas de perder você, mas também de se perguntar quem ele é. “Ele pode ser dominado por sua própria sexualidade”, diz Lemma. “Talvez ele também não queira encarar o crescimento e não queira que nada atrapalhe seu relacionamento.”

A situação intensifica-se porque há apenas vocês dois em casa e o seu filho pode sentir que tem de ser tudo para si, pelo que não precisa de mais ninguém. Mas, diz Lema, “é vital para o desenvolvimento perfurar essa fantasia para que seu filho, com o tempo, possa assumir seus próprios relacionamentos e você o seu”.

Eu posso ver porque você evitou falar sobre isso, mas fale que você deve. “Os pais muitas vezes não conseguem controlar o ódio da criança, evitando o confronto com a realidade”, afirma Lemma.

Eu me pergunto, também, se você se sente culpado (não que você deveria) sobre o divórcio e seu impacto, e está tentando evitar mais transtornos. A culpa, como eu disse antes, é inimiga da paternidade confiante.

A Lema sugere que você pode precisar de tempo para ser “objeto de ódio” por um tempo. “Você está certo em não apresentá-lo aos parceiros prematuramente, mas precisa contar a verdade ao seu filho.”

Se você é mais aberto, é mais provável que seu filho se acostume com essa ideia. Ele provavelmente também sabe que você não está sendo honesto e isso só o tornará mais inseguro.

“Dirija-se ao seu filho diretamente”, sugere Lemma. “Quando são apenas vocês dois, explique que você conheceu alguém ou gostaria de conhecer alguém. Reconheça que você sabe que ele acha difícil, mas diga a ele que a maneira como ele se sente é normal e nada para se assustar. E isso, com o tempo, ele também desejará seus próprios relacionamentos ”.

Lema diz que ele pode “ter uma derreter – isso é de se esperar. Mas ele deve ser capaz de sair dele a tempo. Se, depois de alguns meses, ele não puder, ele pode estar preso e precisar de ajuda. ”Há outro amigo / parente com quem ele poderia conversar, além de seu pai?

Então, seja honesto. Esteja preparado para ser odiado por um tempo. Tranquilize-o, mas chegue a isso de um ponto de confiança – isso tornará seu filho mais confiante também. “Além disso”, diz Lemma, “lembre-se de que, se você encontrou alguém, não está mais sozinho com isso”.

bpc.org.uk

Envie seu problema para annalisa.barbieri@mac.com. Annalisa lamenta não poder entrar em correspondência pessoal.

Os comentários sobre esta peça são pré-codificados para garantir que a discussão permaneça nos tópicos levantados pelo artigo.

15 presentes combinados para fazer casais de longa distância se sentirem bem de coração

Quando você está em um relacionamento de longa distância, todo dia é um ótimo dia para enviar um presente para o seu outro significativo. Mas escolher o presente certo nem sempre é fácil. Você pode querer algo pessoal, mas não também pessoal. Você pode querer algo que lhes diga o quanto você sente falta deles, e que, embora eles possam estar longe de você … eles estão sempre em sua mente e em seu coração.

Se assim for, pense em obter um presente correspondente.

Não role seus olhos. Eu não estou recomendando que você corra fora e compre um par de colares com uma chave e um coração (embora se essa é a sua xícara de chá, há muitas opções por aí.) Em vez disso, procuramos alto e baixo fora da caixa para traga-lhe 15 divertidos e pensativos presentes para casais em relacionamentos de longa distância.

Aqui estão 15 presentes de correspondência significativa para casais em relacionamentos de longa distância que são obrigados a marcar-lhe uma vitória.

Um belo conjunto de 20 oz copos de vinho gravado com uma imagem bonita que capta amor de longa distância perfeitamente. Eu não sei sobre você, mas estar em um relacionamento de longa distância freqüentemente me leva a querer beber, então este presente é quase perfeito!

Combinando “não importa as milhas” caneca

O que você precisa depois de beber muito vinho de suas taças de vinho divertidas? Sim, um pouco de café. Então confira este par de canecas combinando. Na verdade, confira todas as canecas divertidas e elegantes da BoldLoft para casais.

E o que você precisa depois de todo aquele vinho, seguido de café? Está certo, durma! Confira este par de fronhas (uma para cada um de vocês). Você pode não conseguir se aconchegar todas as noites, mas pode aconchegar um travesseiro que lembra seu amor.

Believe criou estas “Pulseiras à Distância” para ajudar casais de longa distância a acreditar em seu amor, sentirem-se conectados e confiarem que um dia se verão novamente. O Black Onyx tem a reputação de ajudar a liberar quaisquer emoções negativas ou estresse, e o Howlite Branco supostamente tem uma energia calmante.

Distância e tempo separados de alguém podem ser difíceis, mas não importa onde eles estejam, você pode levar um lembrete deles com você o tempo todo.

Eu amo essa ideia! Um desses braceletes delgados soletra “Sempre” em código morse, o outro soletra “Forever”. Mantenha um e dê um para sua outra metade. Ou confira este elegante conjunto de pulseiras que soletram “Mi Amor”. Outra pulseira com código Morse que eu realmente amo é essa opção “Eu estou sempre com você”. Compre dois e guarde um para si mesmo.

Compre duas dessas pulseiras acessíveis e chiques. Ter a latitude e longitude da sua localização gravada em um, e sua localização gravada no outro. Dessa forma, você sempre pode ser lembrado da localização do seu coração.

Eu amo a idéia de usar coordenadas em uma pulseira ou um colar. Aqui, você pode obter dois pelo preço de um. Este conjunto de pulseiras pode ser personalizado com todas as coordenadas que você deseja. Eles podem usar o seu, e você pode usar o deles.

Estas pulseiras de corda casuais são projetadas para caracterizar o nó do amante – significando duas vidas entrelaçadas. Combinado com cores contrastantes, cada pulseira lembrará o outro coração que está entrelaçado com o seu.

Este conjunto de colares é feito de couro genuíno e aço inoxidável e pode ser totalmente personalizado com suas iniciais ou data especial. Os dois corações combinam apenas quando estão juntos … o que é a metáfora perfeita para um relacionamento de longa distância.

Grave uma mensagem no seu smartphone e faça com que as ondas sonoras dessa mensagem sejam impressas nesse conjunto de colares. Você pode dizer o que quiser e só os dois saberão o significado da mensagem que você está usando.

Eu amo a noção e a aparência de jóias gravadas com impressões digitais. É íntimo, pessoal e sutil. Vestir algo gravado com a impressão digital pessoal pode fazer com que você se sinta como se alguém quase perto o suficiente para tocar. Confira este conjunto de anéis que podem ser personalizados com suas impressões digitais exclusivas.

Se você gosta da ideia de tocar anéis, mas não está convencido da ideia de gravá-los com suas impressões digitais, confira este conjunto de anéis giratórios infinitos. Eles são esguios e simples. O toque sutil para simbolizar o infinito torna interessante e sofisticado.

Se você preferir renunciar a sutis e usar seu coração na manga, confira este par de moletons do tipo “amo você na lua e nas costas”. Certifique-se de manter seu coração e seu corpo aquecidos.

Se você os ama até a lua e voltar, mas não está pronto para literalmente vestem o slogan, este conjunto combinado de “amo você para a lua e para trás” chaveiros pode ser mais o seu beco.

Ainda não sabe o que escolher? Bem, a coisa que eles mais querem é só ver você. Então você não pode errar com isso. Escolha uma foto linda. Personalize uma moldura com as coordenadas da sua localização e entregue-a a elas. E não se esqueça de encomendar outro quadro personalizado com seus localização para que você possa ter um também.

Seu marido é emocionalmente dependente de você

Você ficaria surpreso em saber que seu marido é emocionalmente dependente de você de várias maneiras.

Seu marido é emocionalmente dependente de você de várias maneiras

Você está atordoado, não é?

Você sempre pensou que seu marido era mandão e esnobe, não é?

Você tinha motivos válidos para acreditar nisso.

  • Seu marido nunca mostra que ele se importa com você.
  • Ele passa horas solitárias antes da televisão video games internet. E ele parece gostar disso sem pensar em interagir com você.
  • Ele anda pela casa sem erguer os dedos, deixando-o escravo sozinho com suas intermináveis ​​tarefas domésticas.
  • Seu marido não é amigável com você.
  • Ele não se incomoda em ouvir você.
  • Ele não confia em você.
  • Ele domina você de várias maneiras.

Você odeia essas características do seu marido, não é?

Estranhamente, este não é o seu verdadeiro eu.

Estas são a demonstração externa de seu poder masculino. Ele faz isso para fazer você entender que ele é seu próprio mestre.

Embora ele pareça indiferente, seu marido é emocionalmente dependente de você.

Você sabe por quê?

Seu marido não tem sua força mental.

Ele facilmente fica sob a pressão de problemas familiares. Ele não pode lidar com isso sem o seu apoio moral.

Sim.

Seu marido pode ser mais forte que você fisicamente. Mas debaixo de sua força, ele é uma criança. Essa criança dentro dele procura proteção de você.

Ele está acostumado a ser cuidado desde a infância. Sua mãe cuidou dele antes de seu casamento e o dever passa para você depois do casamento.

Seu marido literalmente se sente livre de responsabilidades familiares quando você está por perto. Na verdade, ele não pode ficar sem você.

Mas ele finge ser uma pessoa forte que tem a capacidade de lidar com qualquer problema que possa surgir em seu caminho.

Só ele sabe que não pode enfrentar seus problemas sem você.

É um fato hardcore que uma esposa é mais forte que seu marido, mentalmente.

Geralmente, considera-se que uma esposa é mais emocionalmente dependente de seu marido. Mas não é assim. Você é mentalmente forte para lidar com a atitude insensível de seu marido.

‘Meu marido é o que ele é. Eu nunca posso mudá-lo para ser mais amoroso e solidário para mim, você diz a si mesmo. Quando seu marido não demonstra seu cuidado com você, você aprende a cuidar de si mesmo. Você imediatamente muda sua atenção para seus filhos. A vida continua como de costume para você.

Quando você se sente estressado pela atitude insensível de seu marido, compartilha seus sentimentos com os amigos.

Você pode ver que tem alguém para deixar seu vapor?

Mas seu marido nunca compartilha suas emoções com os outros. É porque, como homem, ele é ensinado a ser corajoso e forte. Ele se torna forte, mas apenas fisicamente. Mentalmente, seu marido é tão fraco quanto uma criança.

Como seu marido esconde seus sentimentos de você?

Suas pressões de relacionamento permanecem como um segredo dentro dele. Ele não discute isso com ninguém, nem mesmo com seus amigos. Esta é a razão pela qual seu marido se torna facilmente temperamental e indiferente quando está perturbado.

Quando seu marido está com raiva, ele pronuncia palavras que o magoam profundamente. Ele abusa de você e faz você se sentir amado. Quando há uma discussão entre você, ele ataca você com raiva venenosa para mostrar que ele não pode ser dominado por você. Mas internamente ele se enche de vergonha com a verdade por trás de suas acusações.

Mas, depois de sua explosão de raiva, seu marido se torna silencioso e sombrio. Ele se sente envergonhado por ter te machucado. Ele se afasta de você, mas internamente seu marido se sente muito infeliz por sua demonstração de raiva contra você. Ele está em grande dor emocional que você pode não entender o amor dele por você. Ele também está preocupado que você possa parar de amá-lo.

Ele não pode fazer sem o seu apoio moral e amor. Então, ele imediatamente te persuade a identificar que você é o pilar de força dele. Você imediatamente se derrete em amor e perdoa-o.

Você está se perguntando por que seu marido esconde sua dependência emocional de você fingindo uma atitude dominadora em relação a você?

É porque o seu marido nunca quer que você saiba sobre sua fraqueza. Ele está apreensivo com o fato de você considerá-lo manso se souber sobre sua dependência emocional de você.

Quando seu marido quer a sua segurança emocional de volta, ele fará de tudo para apaziguar você.

Você se torna emotivo sobre o aspecto de seu caráter. Você literalmente se apega a essa característica de seu marido para viver seu casamento.

Seu marido é emocionalmente dependente de você para a sobrevivência do dia-a-dia também. Ele se sente perdido quando você está ausente de casa. Ele é incapaz de lidar com a necessidade de cuidar de si mesmo.

Ele quer que você seja solidário e protetor em relação a ele. Ele quer que você seja mãe dele para que ele se sinta seguro e cuidado.

Você sabe que seu marido odeia sua dependência emocional de você?

Isso faz com que ele sinta que isso pode lhe dar uma razão para dominá-lo. Então, ele não mostra isso.

Sim.

Embora seu marido seja emocionalmente dependente de você, ele odeia seu desamparo ao depender totalmente de você.

Então, ele sopra quente e frio em seu comportamento em relação a você. Um dia ele é amoroso e carinhoso. E quando ele sente que você está se aproveitando disso, ele se afasta friamente de você.

Você nunca realmente o entende. Esta é a razão pela qual você tem todos os tipos de dúvidas sobre o amor de seu marido. Não se preocupe. Ele ama você, mas em seus próprios termos e condições. É assim que sua mentalidade masculina o impele a fazer.

Conclusão

“O ato real do casamento acontece no coração, não no salão de baile, na igreja ou na sinagoga. É uma escolha que você faz – não apenas no dia do seu casamento, mas de novo e de novo – e essa escolha se reflete na maneira como você trata seu marido ou esposa. ”- Barbara De Angelis

Não adianta quebrar a cabeça que o seu marido não mostra o seu amor abertamente e francamente. Você deve perceber que sem você ele se sente perdido e sozinho, como uma criança.

Esta é a verdadeira vitória que você tem sobre o seu marido, não é?